O QUE É AUTISMO



Transtorno do Espectro Autista (TEA), conhecido popularmente por Autismo, é um transtorno(*) no neurodesenvolvimento







Ele tem como comprometimento de 2 habilidades do desenvolvimento sendo fundamentais e que geralmente aparece até os 3 anos de vida, sendo que até algumas crianças parecem ser normais até os 2 anos de idade e de repente começa a regredir e perder habilidades que havia adquidido:


- Déficits de interações sociais e de comunicação;

- Comportamentos repetitivos e interesses restritos.



O Espectro pode variar em 3 níveis diferentes de comprometimentos:

Nível 1 – requer apoio
- Comunicação social (déficits e dificuldades precisando de ausência de apoio na comunicação e interações sociais).

- Comportamentos repetitivos e restritos (dificuldade significativa no funcionamento em ambientação, troca de atividades e pouco interesse por interações sociais)

Nível 2 – requer apoio substancial
- Comunicação social (déficits graves nas habilidades de comunicação, prejuízos sociais aparentes e limitações a interações sociais);

- Comportamentos repetitivos e restritos (rigidez quanto ao comportamento, dificuldade de lidar com mudanças e sofrimento para mudar o foco)

Nível 3 – requer apoio extremo substancial
- Comunicação social: (prejuízos graves na habilidade de comunicação e interações sociais mínimas entre as partes).

- Comportamentos repetitivos e restritos (rigidez extremo de comportamento causando comprometimento no desempenho de ambientação e grande sofrimento para mudar foco ou ações).



SINALIZANDO O AUTISMO

Primeiros sinais
Geralmente as mães ou professoras sinalizam que a criança é diferente. Começa a ocorrer quando a criança entra no marco do desenvolvimento a partir dos 18 meses de idade.


É nesSa idade que a criança detém de habilidades a ponto de se expor como:


- Andar bem;

- Conseguir subir escadas se apoiando;

- Compartilha a atenção como: Olha o avião! E a criança aponta;

- Desenha uma linha vertical;

- Faz uma torre com 4 cubos, Vira várias páginas de um livro ao mesmo tempo;

- Tem o repertório da fala cerca de 200 palavras, podendo variar para mais ou para menos;

- Brincar de maneira adequada com brinquedos como: carrinhos e puxar brinquedos em cordas;

- Se alimenta de maneira de não ter seletividade à alimentos como: pastosos;

- Consegue comer algumas coisas sozinho;


É nesse período que o Estatuto da Criança e Adolescente assegura a Lei nº 13.438 de 26 de Abril de 2007, que Pediatras são obrigados a usar protocolos para identificar sinais do Autismo a partir dos 18 meses.


Entretanto médico, especialistas, pais ou cuidadores já podem através da observação direta já podem ficar atentos a partir dos meses que a criança:

- Mantém a cabeça firme quando está de pé;

- Consegue se sentar com apoio;

- Rola o corpo em sentido, geralmente da posição deitado;

- Tenta alcançar objetos: Reconhece pessoas à distância;

- Presta bastante atenção às vozes humanas;

- Gosta de ficar no colo;

- Sorri espontaneamente;

- Ao sentir prazer, expressa por meio de gritinhos;

- Balbucia para os pais quando conversam com ele ou para coisas.



CAUSAS

Pesquisas apontam que as causas podem ser de origem genética ou fatos ocorridos durante a gestação, porém as causas ainda são desconhecidas cientificamente.


Estudos apontam que que muitos genes podem estar envolvidos nas causas. A origem do autismo acredita que esteja em anormalidades em algum local do cérebro não definida.



TRATAMENTO PARA O AUTISMO

Para o Autismo não existe cura. Existe tratamento precoce onde poderão minimizar os danos. Porém a criança não deixa de ser autista. Dentro dos tratamentos existe os programas que são desenvolvidos para cada sujeito.


Hoje, a conduta de tratamento considerada eficaz é a Terapia Comportamental, baseada na Análise do Comportamento Aplicado (ABA). ABA é uma ciência na qual quantifica, observa e registra a função do comportamento. A atuação é desenvolver programas específico e estruturado para a necessidade do sujeito gerando um maior repertorio. Os programas são sempre acompanhados por supervisão.


Outro programa é o Tratamento e Educação para Autistas e Crianças com Déficits relacionados à Comunicação – TEACCH, utiliza recursos visuais que ajudam o sujeito a se organizar e estruturar seu ambiente.



MEDICAMENTOS

Não há remédios para Autismo e sim remédios sintomáticos, ou seja, remédios que tratam os sintomas como: problemas comportamentais (agressividade, hiperativas e irritadas) ou emocionais (ansiedade, impulsivas, alterações de humor).



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DSM-V, American Psychiatric Association – Manual de Diagnóstico de Distúrbios Mentais 5ª ed. Artes Médicas.


Lei nº 13.438, de 26 de Abril de 2017, Artg 1º, § 5º


MELLO, Ana Maria S Ros. Guia Prático Autismo, 8 ed. 2016. São Paulo: AMA


PAPALIA, Daiane E.; FELDMAN, Ruth Duskin. Desenvolvimento Humano. 12ª ed. 2013. Artmed


ROTTA, Newra Tellechea; OHLWEILER, Lygia; RIESCO, Rudimar dos Santos. Transtornos da Aprendizagem. Abordagem Neurobiológica e Multidisciplinar. 2006. Artmed